Sem categoria

Ao Povo de Deus de Mari e Meu!

Que darei ao Senhor por tão grande expressão do seu beneplácito.

Sendo eu limitado pecador, vitima das influencias que todos sofremos, e ainda assim sendo pai de 3 filhos, amo chegar em casa com uma surpresa colorida pra desfrutar de 3 lindos sorrisos nos rostos dos meus pequeninos.

Não posso imaginar que meu amor por meus filhos ainda que imperfeito não seja uma imagem do amor e desejo de Deus em nos fazer feliz. Ele disse: Eu vim para que tenham vida e vida em abundancia (João 14:6)

Nos ultimos três anos da minha vida recebi um grande presente de Deus, como sempre uma surpresa, inesperada e mesmo oriunda da dor de uma partida, recebi a nobre dádiva de cooperar com a 1ª. Igreja Batista de Mari. Povo muito amado por Deus, povo abençoado, povo humilde, trabalhador, carinhoso e cheio do amor de Deus. Ali desfrutei de tantas bênçãos celestiais que nem parecia estar na Terra: Vi gente comprometida, vi gente que ama Jesus, gente cheia da Palavra de Deus e de atitudes surpreendentes no poder do Espirito Santo. A Igreja de Mari é um povo que faz bem e quando se dispõe a fazer faz tudo muito bem. Gente que se ama, se coopera, se ajuda e se esmera. Se sentem uma família,pensam uns nos outros, pois sabem que se completam uns com os outros.

Entre muitas idas e vindas, ou vindas e idas, com esposa e filhos, mãe, irmãos amigos, ou mesmo só, mas, nunca sozinho, uma hora indo, uma hora vindo, sempre foi hora de reflexão, pensamento, projetos, e oração. Oh tempo bão. Tempo que nunca será esquecido e pra sempre folgará meu coração. Oh Deus bendito, obrigado por tua Mão, que em tantas curvas escuras sempre me deu proteção. Obrigado paínho querido. Abeçoe meu povo alí. Povo meu que sei que é teu, mas mesmo sendo teu tu me deste eles de presente e eu sinto que serão eternamente, irmãos e amigos MEUS.

Valeu cada quilometro, valeu cada segundo, cada sorriso e pregação, valeu eternamente cada abraço e aperto de mão. Dos hamburgueres na praça, em conversas abençoadas, dos cultos ao ar livre, dos aconselhamentos na calçada. Das visitas e do cafezinho, do sorriso e da comunhão na mesa desfrutada. Coisa boa é ser de Deus, ser esse povo bendito, ser família de Jesus abeçoada. Povo de Mari, queridos irmãos, pode ter povo parecido mas igual a este, NÃO!

Valeu Deus, Sejas eternamente louvado!!!

Porque dEle e por Ele e para Ele são todas as coisas, glória pois a Ele eternamente, Amém!!!

Romanos 11:36

 

 

 

 

 

 

Sem categoria

Pais brilhantes famílias fascinantes

ENSINO O QUE SEI, MAS SÓ REPRODUZO O QUE SOU.

Pensamentos

Diga o que a criança deve fazer, em vez de dizer “não faça isso”.


Educar é corrigir. Corrigir é substituir uma forma de reação inconveniente por uma adequada. Dizer apenas “não faça isso” é dar uma ordem negativa. A criança tem prazer na ação. Para desviá-la da ação inconveniente é preciso sugerir-lhe a ação conveniente, a fim de não privá-la do prazer de agir.

Não diga que uma coisa é má apenas porque lhe aborrece.

A qualificação de uma coisa em boa ou má é importante para a criança na formação da as capacidade de julgamento. Não deve ser feita com fundamento apenas na tendência afetiva momentânea de quem faz. Se é má, cumpre dar a razão de modo compreensível para a criança, e esta razão deve estar na coisa em si e não no agrado que nos causa.

Não fale da criança em sua presença, nem pense que ela não escuta, não observa, nem compreende.

A criança se sente objetivo da atenção dos adultos, quer quando a elogiam, quer quando a censuram, desenvolve uma excessiva estima de si mesma, que a levará a procurar essa atenção de qualquer maneira, e a sofrer quando não a consegue.

Não interrompa o que uma criança está fazendo, sem avisá-la previamente.

A criança tem prazer na ação. Interrompe-la subitamente é causar-lhe violenta emoção de natureza inibidora. Se é necessário interrompê-la proceda de modo que se evite a emoção de surpresa.

Não manifeste inquietação quando a criança cai, ou não quer comer, etc. Faça o que for necessário sem se agitar e alarmar-se.

A inquietação alarmada em torno de qualquer episódio da via de uma criança serve, apenas, para ampliar o tom emocional do acontecimento. Cumpre, ao contrário, considerar as coisas com naturalidade, para que nela se desenvolva a capacidade de dominar suas próprias emoções.

Ocupe-se dos interesses e necessidades da criança, em vez de somente demonstrar amor acariciando-a constantemente.

O carinho físico é agradável para quem o dá e recebe, mas pode não corresponder aos interesses e necessidades reais da criança: Deus, amor, aceitação, significado, apreciação, segurança, pertencer, ensino, elogios, disciplina e etc.

Vá passear com a criança, em vez de levá-la para passear.

A criança, por suas deficiências naturais, é uma dependente. Quanto mais cedo se anular em seu espírito tal sentimento de dependência tanto mais rapidamente se completará o sentimento de que se basta a si mesma. “Levá-la para passear” é colocá-la na dependência da iniciativa alheia. “Ir com ela passear” é associá-la à iniciativa e à ação, o que lhe dará mais prazer.

Não faça sermões morais à criança pequena.

As expressões de conteúdo moral são incompreensíveis para a criança pequena, porque são abstratas. Os “discursos” e “sermões” que as contenham valem somente como expressão inteligível de uma estado de espírito que ela não compreende e que a alarma.

Sempre cumpra as suas promessas.

Para a criança, prometer é começar a realizar. Se a promessa não se cumprir, haverá uma frustração como se a criança houvesse sido privada de alguma coisa, o que se dá em seu espírito origem à descrença.

Sempre diga a verdade para a criança.

A mentira até pode ser aceita socialmente, mas para a criança é uma desilusão e destrói a autoridade como fonte de conhecimentos e fonte da verdade.

SER PAI

Átila

Ouvi um amigo falando sobre uma pesquisa que viu na TV. Ela procurava captar as opiniões sobre a pessoa do “pai”, entre adolescentes e jovens. O que impressionou foi que as respostas mostraram que o nervosismo parece ser “um gene” dos pais. Quando chegam em casa, começam a implicar e distribuir, aos filhos, nervosismo e comentários negativos sobre o quarto desarrumado, o tênis fora do lugar, a ociosidade que contrasta com a sua aplicação em angariar subsídios financeiros para que o LAR continue funcionando! Parece ser verdade, olhando para minha própria vida familiar! Tenho que ser honesto e confessar isso! A segunda pergunta da pesquisa tentava destacar as qualidades do pai. Respostas como “Muito responsável”, “Honesto”, “Sério”, “Supridor eficaz das nossas necessidades”, apareceram na maioria das participações. Somente uma pessoa declarou que a maior qualidade do pai era “ser amigo, meu amigo”…

Nossa tendência natural é querer suprir e suprir e suprir necessidades materiais, enquanto nosso maior tesouro vai se esvaindo com a passagem dos anos: nossa vida, a maior influência que um pai pode ter em seus filhos!

A sociedade tem seu ‘jogo de sedução’ bem definido e flerta descaradamente com cada pai, tentando-o para que busque a aprovação de outros, a admiração de outros, que mostre a todos o quanto foi capaz de conseguir, de possuir, as paredes repletas de diplomas, aval de sua distinção em meio a milhares de pais menos afortunados, as roupas de seus filhos, a quantidade de televisores em sua casa, os celulares, os carros novos, o colégio pago, os presentes caros que outros não podem ofertar aos seus. Porém essa postura o privará de compartilhar a riqueza que não pode ser aferida, o tesouro que se perpetuará por gerações, o legado que nunca deixará o lugar onde as coisas não podem fazer diferença: o coração dos filhos.

Podemos ver nisso uma justificativa plausível para a imaturidade de nossos adolescente e jovens no que se refere a relacionamentos e valores perenes de vida. Falta-lhes a figura do pai que orienta, que compartilha vida, enquanto opta por menos horas no trabalho se mostra humano para com seus filhos, acessível, ensina como tratar as dificuldades na prática, tem tempo para afagar os seus queridos abrindo um dos lugares mais cobiçados por adolescentes e jovens do Brasil e do mundo: o colo. Sem dúvidas, esses pais que hoje optaram por:

  • um estilo de vida mais simples,
  • afugentar o ‘canto de sereia’ da Sociedade de consumo,
  • viver a vida ao lado dos seus filhos

irão colher resultados maravilhosos e eternos onde uma imensa multidão de bem sucedidos seres sociais têm fracassado: em sua família.

Deixo você pensando nas palavras de Jesus no livro de Lucas, capítulo 12 verso 15.

“… porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui”

Ä Amigo de paternidade, em que está consistindo sua vida?

Ä Ninguém despreza o valor do dinheiro e a importância dos bens, mas para onde essa corrida frenética atrás do vil metal tem levado você em termos de família?

Ä Seus filhos vão lembrar de você pelo quê?

Ä Qual tem sido o legado emocional e espiritual que você tem construído para seus filhos?

Sugestão: Convide seus filhos, mesmo os casados, para um jantar íntimo e um bate-papo e se submeta à avaliação deles. Pode ser difícil para você, mas posso afirmar, por experiência própria, que ninguém se levantará daquela mesa igual! Com a ajuda de Deus (peça a Ele), você poderá reordenar sua vida para que o tempo perdido seja recuperado rapidamente.

Invista em sua família!

Um grande abraço.

Sem categoria

Jovens abandonando o Cristianismo

Sociólogos estão vendo acontecer entre os jovens adultos dos EUA uma grande mudança: o abandono do cristianismo.
Uma resposta honesta requer um exame deste êxodo e alguns questionamentos sobre os motivos desta mudança. Estudos recentes trouxeram à luz esta questão. Entre os resultados divulgados pela American Religious Identification Survey [Pesquisa de Identificação da Religião nos EUA], um aspecto merece destaque. A porcentagem de americanos que afirmam ser “sem religião” quase duplicou em duas décadas, De 8,1%, em 1990, chegaram a 15% em 2008. Essa tendência não está limitada a uma região. Os “sem religião”, cuja resposta à pergunta sobre afiliação religiosa foi “nenhuma”, foi o único grupo que cresceu em todos os estados americanos, incluindo o conservador “cinturão bíblico” no sul. Os “sem religião” são mais numerosos entre os jovens: 22% dos entrevistados entre 18 a 29 anos alegaram não ter religião, em contraste com os 11% de 1990. O estudo também descobriu que 73% deles cresceram em famílias religiosas, sendo que 66% foram descritos pelo estudo como “desconvertidos”. Outros resultados da pesquisa foram ainda mais desanimadores. Em maio de 2009, durante o Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, os cientistas políticos Robert Putnam e David Campbell apresentaram uma pesquisa feita para seu livro American grace, lançado recentemente. Eles relatam que “os jovens americanos estão abandonando a religião em um ritmo alarmante, de cinco a seis vezes a taxa histórica (hoje, entre 30% e 40% não têm religião, contra 5% a 10% da geração passada)”. Houve uma queda correspondente na participação em igrejas. Segundo o centro de pesquisas Rainer, aproximadamente 70% dos americanos deixam de se envolver com a igreja entre os 18 e 22 anos. O Grupo Barna estima que 80% daqueles que foram criados na igreja serão “desligados” ao completar 29 anos. David Kinnaman, presidente do Grupo Barna, descreve essa realidade em termos alarmantes: “Imagine uma foto do grupo de jovens que são membros de sua igreja (ou fazem parte da comunidade de crentes) em um ano qualquer. Pegue um pincel atômico grande e risque três de cada quatro rostos. Este é o número provável de desligamentos espirituais durante as próximas duas décadas “. Em seu livro Não Cristão, Kinnaman baseou suas descobertas em milhares de entrevistas que fez com jovens adultos. Entre suas muitas conclusões está a seguinte: “A ampla maioria das pessoas de fora [da fé cristã] neste país, particularmente entre as gerações mais jovens, na verdade são indivíduos sem igreja”. Ele relata que 65% dos jovens entrevistados dizem ter assumido um compromisso com Jesus Cristo em algum momento. Em outras palavras, a maioria dos que hoje são incrédulos são antigos amigos e adoradores de Jesus, foram crianças que uma dia o aceitaram. Para esclarecer o discurso de Kinnaman, o problema hoje não são os “não cristãos”, mas os muitos ex-cristãos. Ou seja, não se trata de um “povo não alcançado.” Eles são nossos irmãos, irmãs, filhos, filhas e amigos. Eles já estiveram vivendo entre nós na igreja. Em seu recente livro Cristãos são hipócritas cheios de ódio… e outras mentiras que lhes contaram, o sociólogo Bradley Wright diz que essa tendência de os jovens abandonarem a fé em números recordes é “um dos mitos” do cristianismo contemporâneo. Wright vai na contramão, dizendo que cada geração é vista com desconfiança pelos mais velhos. Embora reconheça que “não podemos saber ao certo o que vai acontecer”, ele acredita que a melhor aposta é que a história vai se repetir: “…os jovens geralmente abandonam a religião organizada quando saem de casa e se desligam da família, mas voltam quando começam a formar suas próprias famílias”. Então, jovens de 20 a 30 e poucos anos estão abandonando a fé, mas por quê? Quando pergunto às pessoas da igreja, recebo alguma variação desta resposta: compromisso moral. Uma adolescente vai para a faculdade e começa a frequentar festas. Um jovem decide morar com sua namorada. Logo, os conflitos entre a fé e o comportamento tornam-se insuportáveis. Cansados de ter a consciência pesada e não querendo abandonar um estilo de vida pecaminoso, optam por abandonar seu compromisso cristão. Podem citar o ceticismo intelectual ou as decepções com a igreja, mas isso é mais uma espécie de cortina de fumaça para a esconder a verdadeira razão. “Eles mudam de credo para coincidir com suas obras”. Existe alguma verdade nisso, mais do que a maioria dos jovens que seguiram esse caminho gostaria de admitir. A vida cristã fica mais difícil ao enfrentar muitas tentações. Durante o ano passado, fiz entrevistas com dezenas de ex-cristãos. Apenas dois foram honestos o suficiente para citar questões morais como a principal razão do abandono da fé. Muitos experimentaram crises intelectuais que pareciam, convenientemente, coincidir com um estilo de vida fora dos limites da moralidade cristã. O que os afastou na maioria das vezes? Os motivos de cada um são particulares, mas percebi nas entrevistas que a maioria foi exposta a uma forma superficial de cristianismo que acabou “vacinado-os” contra uma fé autêntica. Quando o sociólogo Christian Smith e sua equipe examinaram a vida espiritual dos adolescentes americanos, encontraram a maioria deles praticando uma religião que seria melhor descrita como “deísmo moralista terapêutico”. Colocam assim Deus como um Criador distante, que abençoa as pessoas “boas, legais e justas”. Seu objetivo principal é ajudar os crentes a “serem felizes e sentirem-se bem”. A resposta cristã As razões para o abandono são complexas. Uma parte significativa tem a ver com a nova cultura que vivemos e há muito a ser pensado sobre isso. Mas os membros das igrejas ainda têm controle sobre pelo menos uma parte do problema: o tipo de resposta dada. Enquanto ficam perplexos, e com razão, ou mesmo arrasados, quando veem entes queridos se afastarem, não deveriam deixar que a tristeza tome conta deles. Conversei com um pai que estava deprimido ao ver seu filho adulto abandonar a fé. Ele disse que seu filho estava metido “em coisas satânicas”. Depois de uma pequena sondagem, descobri que o filho na verdade era um politeísta. Ele amava Jesus, mas via-o como uma figura em um panteão de seres espirituais. Ou seja, algo muito distante da avaliação de seu pai. Ao falar com quem abandonou a fé, geralmente os cristãos têm uma dessas duas reações opostas e igualmente prejudiciais: partem para a ofensiva, dando um sermão cheio de julgamento ou ficam na defensiva, não se envolvendo no problema. Observei durante as entrevistas outro padrão inquietante. Quase todos com quem falei lembraram que, antes de abandonar a fé, eram interrompidos quando expressavam suas dúvidas. Alguns foram ridicularizados na frente de colegas por causa de suas “perguntas insolentes”. Outros dizem ter recebido respostas banais às suas perguntas e foram repreendidos por não aceitá-las. Um deles recebeu literalmente um tapa na cara. Em 2008, durante a reunião da Associação Americana de Sociologia, estudiosos das Universidades de Connecticut e do Oregon relataram que “a contribuição mais comum para a desconversão dos entrevistados foi os cristãos aumentarem as dúvidas já existentes”. Os “desconvertidos” afirmam ter “compartilhado suas dúvidas crescentes com amigo ou membro da família cristãos, apenas para ouvir respostas banais e inúteis”.
Escrito por Milton Alves
Ter, 30 de Novembro de 2010 09:16

FONTE: http://www.lpc.org.br/noticias/1045-quantidade-de-jovens-e-adultos-abandonando-o-cristianismo-bate-recorde

Sem categoria

Ah! Se Sambalate soubesse!

Porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais, e não andais segundo os homens?  1a.Coríntios. 3:3

Quem não trabalha dá trabalho!  Algo acontece com quem cruza os braços para o trabalho a ser feito, além de não cooperar, geralmente, passa a procurar falhas naqueles que estão fazendo.

Certo dia um amigo me falou que uma boa ilustração de equipe é a de um time de competição de remo: Aquele que não rema, além de não contribui com o time, nem mesmo ajuda a conduzir o peso do próprio corpo, sendo além de improdutivo, pesado aos que trabalham. Como se isso não fosse o pior, em algumas equipes o que não rema chega a reclamar e maldizer os que inclusive lhe carregam. Os que são de fato interessados pela causa e se matam para o sucesso da equipe muitas vezes são incomodados pelos inertes, e improdutivos críticos.

No livro do profeta Neemias, vemos a tendência da natureza caída do homem, produzindo ciúme, inveja e ira.  Sambalate enciumado intentou cinco vezes contra o êxito que via na obra que Neemias fazia. Lamentável é que Sambalate não sabia que este trabalho era de Deus e não de Neemias, se insurgindo então contra aquele que estava a serviço do próprio Deus. Ah, se Sambalate soubesse!

Para onde voltamos os olhos de nossa vida, para ali nos encaminhamos. Quando alguém não tem consciência da preciosidade do projeto de Deus em sua vida, fica sem imunidade e pode facilmente ser contaminado pelo vírus de sentimentos escusos, ardendo-se em ciúmes por ver o que Deus apenas está fazendo na vida dos outros.

Esse fato dá vida a um ciclo: Quando esquecemos o que Deus quer fazer na nossa vida, além de perdermos tal esperança passamos a ser como “fiscais da frustração” assistindo revoltante e frustradamente o que Deus está divinamente fazendo na vida dos outros. Nesse devaneio, vê-se cada vez menos o que Deus quer fazer na sua própria vida e isso dá vazão a sentimentos tão medíocres que só alimentam o venenoso ciclo.

Sambalate nunca havia se incomodado com as ruínas de Jerusalém, exceto quando percebeu que alguém que não era ele estava sendo usado por Deus para realizar uma maravilhosa obra. Isso, Neemias fazia por fruto do amor a Deus e ao seu povo. O êxito de Deus para a vida de Neemias depunha contra a até então, inércia de Sambalate. Mas quem dera, ah quem dera! Que Sambalate soubesse, pelo menos duas coisas, a primeira é que aquela obra não era de Neemias e sim de Deus; e em segundo lugar, é que Deus também teria um plano, igualmente feliz para Sambalate.

Ah se Sambalate soubesse que Deus poderia usá-lo, talvez para pintar o muro, fazer um lindo jardim ou mesmo se juntar ao êxito de um trabalho divino, reerguendo os muros com Neemias.

Por isso quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união, oferecendo os próprios corpos como sacrifícios vivos e agradáveis a Deus para que experimentem a boa, perfeita e agradável vontade de Deus. Busquemos profundamente o que Deus quer fazer através de nós e mergulhemos nesta Vontade, pois assim, seremos incomparáveis aos olhos dEle, e pra quem quer: aos olhos dos homens.

Robério Soares

1

Propaganda X Evangelismo

Somos especialistas em fazer propaganda enfatizando exatamente aquilo que não somos. Isto é quase sempre uma regra. No desespero de atingirmos um grupo grande de pessoas, atropelar a ética se torna algo comum. É preciso perceber que a ética para a elaboração de mídias de produtos não pode ser utilizada para a disseminação do evangelho. . Isto se dá por que o evangelho não deve ser associado a um produto. A publicidade de um produto quase sempre busca encontrar um apelo emocional para que pessoas o comprem. Mas emocionalismo não é o sentimento correto daquele que conhece verdadeiramente o evangelho; pois é algo volúvel e que não durará muito tempo. Quem se entrega a apelos emocionais e compra algo, quase sempre irá trocar sua aquisição por uma “melhor” num futuro próximo. . Outro grande problema que enfrentamos ao falar em evangelismo, é tentarmos aplicar conceitos de marketing à igrejas. Conceitualmente, igrejas costumam ser exatamente o contrário do que sua divulgação afirma. Esta dualidade entre a mídia e a realidade, provoca decepções tremendas. E também não deixa de ser uma mentira. Já vi muitas pessoas que ficaram impressionadas por práticas de rua, ou até mesmo por eventos ditos de “evangelismo”, que abusavam de expressões artísticas. Mas ao chegar no culto de domingo, tais pessoas se sentiam enganadas. Parecia que todo aquele ambiente legal foi apenas uma isca para se apresentar mais “do mesmo de sempre”. . E talvez o tipo mais comum de decepção provocada pela propaganda é quando uma pessoa se filia a uma igreja na perspectiva de viver com pessoas melhores que ela mesma. Isto é algo que quase sempre acaba mal. Afinal, a igreja é a comunidade dos arrependidos; daqueles que buscam a vida em santidade, mas… o quanto somos melhores que os de fora? Na ânsia de estar andando com pessoas “sem problemas”, muitos acabam formando grupos organizados pelo pior tipo de afinidade: suas dificuldades. E estes tem tudo o que é necessário para promover grandes tragédias. Mas se nosso marketing abordasse a verdade, pessoas saberiam que em nosso meio, trabalhamos como um hospital: muitos doentes, buscando constante recuperação. Conheço uma igreja que possui um banner com a foto de algumas pessoas escolhidas a dedo em sua fachada. Porém, com o tempo, algumas pessoas abandonaram a fé. Inclusive, duas pessoas se revelaram homossexuais e se afastaram completamente da comunidade. Este banner por muitos é considerado como uma propaganda que deu errado e que, com certa urgência, necessita ser substituído. Inclusive há quem defenda o uso de bancos de imagens (com imagens pessoas desconhecidas) na confecção de uma nova fachada. Mas… há algo mais autêntico do que o velho banner? O velho representa a verdade. Diz que no nosso meio há pessoas com problemas. Que alguns talvez não chegarão até o fim, apesar de suas juras de amor a Cristo. E também revela que temos problemas como qualquer outra pessoa. Esta é a publicidade da verdade; que não mente para se alcançar resultados. E com certeza, um evangelismo baseado em mentiras, não pode ser usado para representar aquele que é o caminho, A VERDADE e a vida.

ariovaldo.com.br

1

Eu vim para que tenham vida e vida em abundância

Fim do Mundo, últimos dias, Fim dos Tempos, essas são expressões bem conhecidas e até desgastadas. No entanto as Sagradas Escrituras nos alertam sobre o que acontecerá nos últimos tempos. Uma delas é a apresentação da grande apostasia, onde a iniquidade cada dia procurará se instalar no meio dos homens. Nesse ambiente nos impressionou a trilha que uma novela global faz ouvir na casa de milhões de cidadãos brasileiros frases deliberadamente diabólicas mascarada de propositura poética de vanguarda. Sinto por Pais de família, jovens e crianças, buscando serem felizes, fazendo ecoar em suas casas este tipo de profanação. Se conseguir, leia o que talvez esteja ouvindo todos os dias sem perceber.

música de abertura da novela.

Vamos deixar que entrem Que invadam o seu lar
Pedir que quebrem Que acabem com seu bem-estar
Vamos pedir que quebrem O que eu construi pra mim
Que joguem lixo Que destruam o meu jardim

Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão – a falta de futuro
Eu quero a mesma humilhação – a falta de futuro

Vamos deixar que entrem Que invadam o meu quintal
Que sujem a casa E rasguem as roupas no varal
Vamos pedir que quebrem Sua sala de jantar
Que quebrem os móveis E queimem tudo o que restar

Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão – a falta de futuro
Eu quero a mesma humilhação – a falta de futuro

Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão – a falta de futuro O mesmo desespero

Vamos deixar que entrem Como uma interrogação
Até os inocentes Aqui já não tem perdão
Vamos pedir que quebrem Destruir qualquer certeza
Até o que é mesmo belo Aqui já não tem beleza

Vamos deixar que entrem E fiquem com o que você tem
Até o que é de todos Já não é de ninguém
Pedir que quebrem Mendigar pelas esquinas
Até o que é novo Já esta em ruinas

Vamos deixar que entrem Nada é como você pensa
Pedir que sentem Aos que entraram sem licença
Pedir que quebrem Que derrubem o meu muro
Atrás de tantas cercas Quem é que pode estar seguro?

Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão – a falta de futuro
Eu quero a mesma humilhação – a falta de futuro

Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão – a falta de futuro O mesmo desespero

—    *    —

Pois bem…

Imagine toda essa maldição.cantada diariamente pra sua família!

Quando você liga sua televisão, você abre uma janela para entrar em sua casa coisas boas ou ruins – isso é uma questão de escolha.

Imaginem nossas crianças cantando isso? Trazendo isso pra dentro do coração e da alma dela? Imaginem você cantando isso?

Tente imaginar de onde o compositor dessa pérola tirou inspiração para compôr tamanha afronta?

Jesus nos fala em que bem contra isso Ele veio para todos tenhamos vida e vida em abundância (João 10:10.

Buscai a Deus enquanto se pode achar (Isaías 55:6).

1

Tipos inúteis de fé – J. C. Ryle

Existem dois meios pelos quais um homem pode perder sua alma. Quais são eles?

Ele pode perdê-la por viver e morrer sem nenhuma fé. Ele pode viver e morrer como um animal, ímpio, ateisticamente, sem a graça e incrédulo. Este é um caminho seguro para o inferno. Cuidado para não andar por ele.

Ele pode perder sua alma por aceitar determinado tipo de fé. Ele pode viver e morrer contentando-se com um cristianismo falso e descansando numa esperança sem fundamento. Este é o caminho mais comum que existe para o inferno.

O que quero dizer com fé inútil?

Em primeiro lugar, uma fé é totalmente inútil quando Jesus Cristo não é o principal objeto e não ocupa o lugar principal.

Existem portanto, muitos homens e mulheres batizados que praticamente nada sabem sobre Cristo. A fé deles consiste em algumas noções vagas e expressões vazias. “Mas eles crêem, não são piores que outros; eles se mantêm na igreja, tentam fazer suas obrigações; não prejudicam a ninguém; esperam que Deus seja misericordioso para com eles! Eles confiam que o Poderoso perdoará seus pecados e os levará para o céu quando morrerem”. Isto é quase a totalidade da sua fé. Mas o que estas pessoas sabem de fato sobre Cristo? Nada! Nada mesmo! Que relação experiencial eles têm com Seus ofícios e obra, Seu sangue, Sua justiça, Sua mediação, Seu sacerdócio, Sua intercessão? Nenhuma! Nenhuma mesmo! Pergunte-lhes sobre a fé salvífica; pergunte-lhes sobre nascer de novo do Espírito; pergunte-lhes sobre ser santificado em Cristo Jesus. Que resposta você terá? Você é um bárbaro para eles. Você lhes perguntou questões bíblicas simples, mas eles não sabem mais sobre elas, experimentalmente, do que um budista ou um muçulmano. E mesmo assim, esta é a fé de centenas de milhares de pessoas por todo mundo que são chamadas de cristãs. Se você é um homem deste tipo, eu o advirto claramente que tal cristianismo nunca o levará para o céu. Ele pode fazer muito bem aos olhos dos homens; pode ser aprovado no conselho da igreja, no escritório, no parlamento inglês ou nas ruas, mas ele nunca o confortará; nunca satisfará sua consciência; nunca salvará sua alma.

Eu o advirto claramente, que todas as noções e teorias sobre Deus ser misericordioso sem Cristo são ilusões sem fundamento e imaginações vãs. Tais teorias são puramente ídolos da invenção humana, tanto quanto os ídolos hindus. Elas são todas da terra, terrestres; nunca desceram do céu. O Deus do céu selou e nomeou Cristo como o único Salvador e caminho para a vida e todos que quiserem ser salvos devem satisfazer-se em serem salvos por Ele, do contrário, de forma alguma serão salvos. Eu lhe dou um aviso legítimo: Uma fé sem Cristo nunca salvará sua alma. Mas eu ainda tenho outra coisa a dizer. Uma fé é inteiramente inútil quando se une qualquer coisa a Cristo com respeito a salvação da sua alma. Você não deve somente depender de Cristo para salvação, mas deve depender de Cristo somente e exclusivamente de Cristo. Existem multidões de homens e mulheres batizados que professam honrar a Cristo, mas na realidade O desonram grandemente. Eles dão a Cristo um certo lugar no seu sistema religioso, mas não o lugar que Deus tencionou que Ele ocupasse. Cristo, exclusivamente, não é “tudo em todos” para suas almas. Não!É Cristo e a igreja; ou Cristo e os sacramentos; ou Cristo e Seus ministros ordenados; ou Cristo e a bondade deles; ou Cristo e suas orações; ou Cristo e a sinceridade e caridade deles, nas quais eles realmente descansam suas almas.Se você é um cristão deste tipo, eu também o advirto claramente que sua fé é uma ofensa a Deus. Você está mudando o plano de salvação de Deus em um plano da sua própria invenção. De fato você está depondo Cristo do seu trono, dando a glória que Lhe é devida a outro.Eu não me importo quem lhe ensina sua fé, cuja palavra você confia. Se ele é papa ou cardeal, arcebispo ou bispo, diácono ou presbítero, episcopal ou presbiteriano, batista, independente ou metodista; quem quer que acrescente alguma coisa a Cristo, está ensinando incorretamente. Eu não me preocupo com o que você está juntando a Cristo.  Se é a necessidade de unir-se a igreja de Roma, ou de ser um episcopal, ou um sacerdote independente, ou desistir da liturgia, ou de ser batizado por imersão. O que quer que seja que você acrescente a Cristo no que se refere a salvação, você ofende a Cristo. Atente para o que você está fazendo. Cuidado para não dar aos servos de Cristo a honra devida a ninguém, além de Cristo. Cuidado para não dar às ordenanças a honra devida ao Senhor. Cuidado para não descansar o fardo de sua alma em coisa alguma a não ser Cristo e Cristo exclusivamente. Cuidado para não ter uma fé que seja inútil e que não pode salvar. É horrível não ter nenhuma fé. Ter uma alma imortal confiada ao seu cuidado e negligenciá-la, é terrível. Porém, não menos terrível, é estar contente com uma fé que não lhe pode fazer nenhum bem.

Não permita que esse seja seu caso.

1

Internet “reprograma” cérebro, e dificulta concentração dos jovens

A revolução digital pode estar “reprogramando” o cérebro de crianças e de adolescentes – facilitando a realização de várias tarefas ao mesmo tempo, mas tornando difícil a concentração por muito tempo. A conclusão será revelada em um documentário da BBC, chamado A Revolução Virtual, que será exibido no próximo sábado (13) naInglaterra. A descoberta ajuda a aumentar a preocupação em torno da internet e dos dispositivos eletrônicos de que eles não estejam mudando só o comportamento das pessoas, como também o jeito de pensar.

O professor David Nicholas da Universidade College London testou a habilidade de cem voluntários para responder a uma série de perguntas ao navegar na internet. Resultados preliminares revelaram que jovens de 12 a 18 anos passaram menos tempo buscando informações antes de responder as perguntas do que os voluntários mais velhos. Em média, eles responderam cada pergunta depois de acessar a metade do número de páginas na web – gastando só um sexto do tempo lendo a informação – visitadas pelos mais velhos. Os adolescentes que cresceram junto com a web se saíram melhor em atividades multitarefa, isto é, ao realizar vários trabalhos mentais de uma vez só. Os mais jovens – nascidos depois de 1993, um ano antes do lançamento da internet comercial no mundo – também tendiam mais a conseguir respostas com os amigos do que usar fontes confiáveis de informação. Uma pesquisa anterior do professor Nicholas descobriu que pessoas mais jovens usam a internet de um jeito diferente dos mais velhos, pulando de site em site e raramente voltando à mesma página duas vezes. Alguns psicólogos dizem que não existem evidências de que a internet esteja mudando o cérebro e de que as pessoas mais jovens sempre tenham se esforçado para se concentrar. Mas outros especialistas afirmaram que a internet encoraja o usuário “zapear” por várias páginas em vez de se concentrar em uma fonte como o livro, o item de pesquisa mais importante na vida de um estudante.

Esse novo tipo de pensamento associativo deixa a maioria das pessoas incapaz de lidar com disciplinas “lineares”, como a leitura e a escrita, por bastante tempo porque a mente deles foi moldada para funcionar de forma diferente. Outros pesquisadores dizem no documentário que que as pessoas mais jovens estão perdendo a capacidade de ler e estudar usando livros. A neurocientista Susan Greenfield, que é professora da Universidade de Oxford, na Inglaterra, disse que “a web e as redes sociais estão ‘infantilizando’ a cabeça das crianças e as distanciando da realidade”.  (grifo nosso)

Fonte: R7

1

“Homossexuais podem mudar”

Entrevista: Rozângela Alves Justino

A psicóloga repreendida pelo conselho federal por anunciar que muda
a orientação sexual de gays diz que ela é quem está sendo discriminada

Juliana Linhares

Ernani d’Almeida

“Preciso continuar a atender as
pessoas que voluntariamente desejam
deixar a atração pelo mesmo sexo”

Aceitar as diferenças e entender as variações da sexualidade são traços comuns das sociedades contemporâneas civilizadas. A psicóloga Rozângela Alves Justino, 50, faz exatamente o contrário. Formada em 1981 pelo Centro Universitário Celso Lisboa, do Rio de Janeiro, com especialização em psicologia clínica e escolar, ela considera a homossexualidade um transtorno para o qual oferece terapia de cura. Na semana passada, foi censurada publicamente pelo Conselho Federal de Psicologia (formado, segundo ela, por muitos homossexuais “deliberando em causa própria”) e impedida de aceitar pacientes em busca do “tratamento”. Solteira, dedicada à profissão e fiel da Igreja Batista, Rozângela diz que ouviu um chamado divino num disco de Chico Buarque e compara a militância homossexual ao nazismo. Só se deixa fotografar disfarçada, por se sentir ameaçada, e faz uma defesa veemente de suas opiniões.

A senhora acha que os homossexuais sofrem de algum distúrbio psicológico? O Conselho Federal de Psicologia não quer que eu fale sobre isso. Estou amordaçada, não posso me pronunciar. O que posso dizer é que eu acho o mesmo que a Organização Mundial de Saúde. Ela fala que existe a orientação sexual egodistônica, que é aquela em que a preferência sexual da pessoa não está em sintonia com o eu dela. Essa pessoa queria que fosse diferente, e a OMS diz que ela pode procurar tratamento para alterar sua preferência. A OMS diz que a homossexualidade pode ser um transtorno, e eu acredito nisso.

“Conheço pessoas que
deixaram as práticas
homossexuais. E isso lhes
trouxe conforto. Perderam
a atração homossexual,
que foi se minimizando. Deixaram de sentir o
desejo por intermédio
da psicoterapia e
por outros meios”

O que é não estar em sintonia com o seu eu, no caso dos homossexuais? É não estar satisfeito, sentir-se sofrido com o estado homossexual. Normalmente, as pessoas que me procuram para alterar a orientação sexual homossexual são aquelas que estão insatisfeitas. Muitas, depois de uma relação homossexual, sentem-se mal consigo mesmas. Elas podem até sentir alguma forma de prazer no ato sexual, mas depois ficam incomodadas. Aí vão procurar tratamento. Além disso, transtornos sexuais nunca vêm de forma isolada. Muitas pessoas que têm sofrimento sexual também têm um transtorno obsessivo-compulsivo ou um transtorno de preferência sexual, como o sadomasoquismo, em que sentem prazer com uma dor que o outro provoca nelas e que elas provocam no outro. A própria pedofilia, o exibicionismo, o voyeurismo podem vir atrelados ao homossexualismo. E têm tratamento. Quando utilizamos as técnicas para minimizar esses problemas, a questão homossexual fica mínima, acaba regredindo.

Há estudos que mostram que ser gay não é escolha, é uma questão constitutiva da sexualidade. A senhora acha mesmo possível mudar essa condição? Cada um faz a mudança que deseja na sua vida. Não sou eu a responsável pela mudança. Conheço pessoas que deixaram as práticas homossexuais. E isso lhes trouxe conforto. Conheço gente que também perdeu a atração homossexual. Essa atração foi se minimizando ao longo dos anos. Essas pessoas deixaram de sentir o desejo por intermédio da psicoterapia e por outros meios também. A motivação é o principal fator para mudar o que quiser na vida.

A senhora é heterossexual? Sou.

Pela sua lógica, seria razoável dizer que, se a senhora quisesse virar homossexual, poderia fazê-lo. Eu não tenho essa vivência. O que eu observei ao longo destes vinte anos de trabalho foram pessoas que estavam motivadas a deixar a homossexualidade e deixaram. Eu conheço gente que mudou a orientação sem nem precisar de psicólogo. Elas procuraram grupos de ajuda e amigos e conseguiram deixar o comportamento indesejado. Mas, sem dúvida, quem conta com um profissional da área de psicologia tem um conforto maior. Eu sempre digo que é um mimo você ter um psicólogo para ajudá-lo a fazer essa revisão de vida. As pessoas se sentem muito aliviadas.

Esse alívio não seria maior se a senhora as ajudasse a aceitar sua condição sexual? Esse discurso está por aí, mas não faz parte do grupo de pessoas que eu atendo. Normalmente, elas vêm com um pedido de mudança de vida.

Se um homem entrar no seu consultório e disser que sabe que é gay, sente desejo por outros homens, só precisa de ajuda para assumir perante a família e os amigos, a senhora vai ajudá-lo? Ele não vai me procurar. Eu escolho os pacientes que vou atender de acordo com minhas possibilidades. Então, um caso como esse, eu encaminharia a outros colegas.

Não é cruel achar que os gays têm alguma coisa errada? O que eu acho cruel é ser uma profissional que quer ajudar e ser amordaçada, não poder acolher as pessoas que vêm com uma queixa e com um desejo de mudança. Isso é crueldade. Eu estou me sentindo discriminada. Há diversos abaixo-assinados de muitas pessoas que acham que eu preciso continuar a atender quem voluntariamente deseja deixar a atração pelo mesmo sexo.

Por que a senhora acha que o Conselho Federal de Psicologia está errado e a senhora está certa? Há no conselho muitos homossexuais, e eles estão deliberando em causa própria. O conselho não é do agrado de todos os profissionais. Amanhã ele muda. Eu mesma posso me candidatar e ser presidente do Conselho de Psicologia. Além disso, esse conselho fez aliança com um movimento politicamente organizado que busca a heterodestruição e a desconstrução social através do movimento feminista e do movimento pró-homossexualista, formados por pessoas que trabalham contra as normas e os valores sociais.

Gays existem desde que o mundo é mundo. Aparecem em todas as civilizações. Isso não indica que é um comportamento inerente a uma parcela da humanidade e não deve ser objeto de preconceito? Olha, eu também estou sendo discriminada. Estou sofrendo preconceito. Será que não precisaria haver mais aceitação da minha pessoa? Há discriminação contra todos. Em 2002, fiz uma pesquisa para verificar as violências que as pessoas costumam sofrer, e o segundo maior número de respostas foi para discriminação e preconceito. As pessoas são discriminadas porque têm cabelo pixaim, porque são negras, porque são gordas. Você nunca foi discriminada?

Não como os gays são. Não? Nunca ninguém a chamou de nariguda? De dentuça? De magrela? O que quero dizer é que as pessoas que estão homossexuais sofrem discriminação como todas as outras. Eu tenho trabalhado pelos que estão homossexuais. Estar homossexual é um estado. As pessoas são mulheres, são homens, e algumas estão homossexuais.

Isso não é discriminação contra os que são homossexuais e gostam de ser assim? Isso é o que você está dizendo, não é o que a ciência diz. Não há tratados científicos que digam que eles existem. Eu não rotulo as pessoas, não chamo ninguém de neurótico, de esquizofrênico. Digo que estão esquizofrênicos, que estão depressivos. A homossexualidade é algo que pode passar. Há um livro do autor Claudemiro Soares que mostra que muitas pessoas famosas acreditam que é possível mudar a sexualidade. Entre eles Marta Suplicy, Luiz Mott e até Michel Foucault, todos historicamente ligados à militância gay.

Quantas pessoas a senhora já ajudou a mudar de orientação sexual? Nunca me preocupei com isso. Psicólogo não está preocupado com números. Eu vou fazer isso a partir de agora. Vou procurar a academia novamente. Vou fazer mestrado e doutorado. Até hoje, eu só me preocupei em acolher pessoas.

O que a senhora faria se tivesse um filho gay? Eu não teria um filho homossexual. Eu teria um filho. Eu iria escutá-lo e tentaria entender o que aconteceu com ele. Os pais devem orientar os filhos segundo seus conceitos. É um direito dos pais. Olha, eu quero dizer que geralmente as pessoas que vivenciam a homossexualidade gostam muito de mim. E também quero dizer que não sou só eu que defendo essa tese. Apenas estou sendo protagonista neste momento da história.

A senhora se considera uma visionária? Não. Eu sou uma pessoa comum, talvez a mais simplesinha. Não tenho nenhum desejo de ficar famosa. Nunca almejei ir para a mídia, ser artista, ser fotografada.

A senhora já declarou que a maior parte dos homossexuais é assim porque foi abusada na infância. Em que a senhora se baseou? É fato que a maioria dos meus pacientes que vivenciam a homossexualidade foi abusada, sim. Enquanto nós conversamos aqui, milhares de crianças são abusadas sexualmente. Os estudos mostram que os abusos, especialmente entre os meninos, são muito comuns. Aquelas brincadeiras entre meninos também podem ser consideradas abusos. O que vemos é que o sadomasoquismo começa aí, porque o menino acaba se acostumando àquelas dores. O homossexualismo também.

A senhora é evangélica. Sua religião não entra em atrito com sua profissão? Não. Sou evangélica desde 1983. Nos anos 70, aconteceu algo muito estranho na minha vida. Eu comprei um disco do Chico Buarque. De um lado estavam as músicas normais dele. Do outro, em vez de tocar Carolina, vinha um chamamento. Eram todas canções evangélicas. Falavam da criação de Deus e do chamamento da ovelha perdida. Fui tentar trocar o LP e, na loja, vi que todos os discos estavam certinhos, menos o meu. Fiquei pensando se Deus estava falando comigo.

O espírito cristão não requer que os discriminados sejam tratados com maior compreensão ainda? Se eu não amasse as pessoas que estão homossexuais, jamais trabalharia com elas. Até mesmo os ativistas do movimento pró-homossexualismo reconhecem o meu amor por eles. Sempre os tratei muito bem. Sempre os cumprimentei. Na verdade, eles me admiram.

Por que a senhora se disfarça para ser fotografada? Um dos motivos é que eu não quero entrar no meu prédio e ter o porteiro e os vizinhos achando que eu tenho algum problema ligado à sexualidade. Além disso, quero ser discreta para proteger a privacidade dos meus pacientes. Por fim, há ativistas que têm muita raiva de mim. Eu recebo vários xingamentos; eles me chamam de velha, feia, demente, idiota. Trabalho num clima de medo, clandestinamente, porque sou muito ameaçada. Aliás, estou fazendo esta entrevista e nem sei se você não está a serviço dos ativistas pró-homossexualimo. Eu estou correndo risco.

“O ativismo pró-homossexualismo está diretamente ligado ao nazismo. Todos os movimentos de desconstrução social estudam o nazismo, porque compartilham um ideal de domínio político e econômico mundial”

Que poder exatamente a senhora atribui a esses ativistas pró-homossexualismo? O ativismo pró-homossexualismo está diretamente ligado ao nazismo. Escrevi um artigo em que mostro que os dois movimentos têm coisas em comum. Todos os movimentos de desconstrução social estudaram o nazismo profundamente, porque compartilham um ideal de domínio político e econômico mundial. As políticas públicas pró-homossexualismo querem, por exemplo, criar uma nova raça e eliminar pessoas. Por que hoje um ovo de tartaruga vale mais do que um embrião humano? Por que se fala tanto em leis para assassinar crianças dentro do ventre da mãe? Porque existe uma política de controle de população que tem por objetivo eliminar uma parte significativa da nação brasileira. Quanto mais práticas de liberação sexual, mais doenças sexualmente transmissíveis e mais gente morrendo. Essas políticas públicas todas acabam contribuindo para o extermínio da população. Essas pessoas que estão homossexuais estão ligadas a todo um poder nazista de controle mundial.

Não há certo exagero em comparar a militância homossexual ao nazismo? Bom, se você acha que isso pode me prejudicar, então tire da entrevista. Mas é a realidade.

Fonte:  Veja: Revistas »  Edição 2125 / 12 de agosto de 2009

http://veja.abril.com.br/120809/homossexuais-podem-mudar-p-015.

1

Jornal dinamarquês “Obama é maior do que Jesus”.

O editorial de um jornal dinamarquês, citando tanto as políticas externas quanto internas adotadas pelo presidente Barack Obama, está deificando o líder político americano.

“Obama é, com certeza, maior do que Jesus — se tivermos de jogar esse absurdo jogo do Natal”, opinou o editorial não assinado ontem em Politiken, que se gaba de ser o maior jornal da Dinamarca, publicado desde 1884.
A tradução em inglês foi fornecida online por Julian Isherwood.
O editorial continuou: “Mas, provavelmente, é mais importante insistir em que com o triunfo dele hoje nos EUA, ele já garantiu para si um lugar nos livros de história — um espaço que ele tem boas chances de expandir de modo considerável nos próximos anos”.
O jornal diz que Obama “é provocativo ao insistir em estender a mão, onde outros só vêem animosidade”.
E embora “seus resultados tangíveis em curto prazo sejam escassos”, suas palavras “permanecem na consciência de sua audiência e têm efeitos de longo prazo”.
“Ele vem de origem humilde e defende os fracos e vulneráveis, pois ele pode se identificar com a condição deles”, disse o jornal. “E não estamos pensando em Jesus Cristo, cuja data de nascimento acabamos de celebrar. Estamos falando do presidente dos Estados Unidos Barack Hussein Obama”.
O editorial comentou que “seria natural chegar-se à idéia de uma comparação entre Jesus e Obama. Se se fizesse tal comparação, é certeza que Obama levaria vantagem”.
O editorial, escrito na ocasião de um voto legislativo em favor do plano de saúde de Obama que institui controle governamental total, citou “o direito de todos os cidadãos de não se arruinarem financeiramente quando sua saúde não está bem”, assim como “o maior pacote de ajuda financeira da história dos EUA, um importante acordo de desarmamento e o mais rápido restabelecimento da reputação americana da História”.
“Por outro lado, há os milagres de Jesus, dos quais todos ainda se lembram, mas que só beneficiaram poucas pessoas. Ao mesmo tempo, há as maravilhosas parábolas sobre sua vida e obras que conhecemos a partir do Novo Testamento, mas que têm sido interpretadas de formas tão diferentes durante os 2000 anos passados que é impossível dar um resultado claro de suas obras”, disse o jornal.
“Todos nós sabíamos que esse dia chegaria”, escreveu Jeremy Wiggins no blog da Associação da Família Americana.
“Sabíamos que alguém da esquerda acabaria tentando comparar Barack Obama com Jesus”, escreveu ele.
“O que quero saber é isto: Como é que dá para comparar uma pessoa que não fez NADA com alguém que fez TUDO? O presidente Obama se prostrou diante de reis, mas diante de Jesus reis vão se prostrar, pois ELE é o Rei dos Reis. Suponho que a comparação mais próxima que eu poderia usar na comparação de Obama com Jesus é comparando uma formiga com um edifício arranha-céu. Não só Jesus é VASTAMENTE maior do que Obama, mas eles nem mesmo estão na mesma categoria para se comparar!” escreveu ele.
WND fez várias reportagens sobre múltiplas referências e sugestões da deidade de Obama, inclusive quando o cantor britânico Sting disse que o presidente Obama poderá ser a resposta para os problemas do mundo — a resposta divina.
“De muitas maneiras, ele foi enviado por Deus, pois o mundo está uma bagunça”, ele disse em entrevista à Associated Press na época.
Antes, foi uma das redatoras de um jornal universitário que escreveu: “Obama é meu Jesus”.
Maggie Mertens, uma das redatoras do jornal da Faculdade Massachusetts’ Smith, disse: “Obama é meu amigo. E não estou dizendo isso porque ele é negro — estou dizendo isso em referência a uma camiseta estampada de uns dois anos atrás que dizia ‘Jesus é meu amigo’. Sim, foi o que eu quis dizer. Obama é meu Jesus”.
A confissão dela apareceu recentemente na seção de comentários do jornal universitário Smithsophian sob o título: “Eu O Seguirei: Obama como Meu Jesus Pessoal”.
“Embora os religiosos vejam isso como idolatria ou embora outros pensem que tudo nessa sentença ofende, temo que seja verdade”, escreveu ela.
Além disso, um artista que planejou apresentar um retrato de Obama numa pose como de Cristo com uma coroa de espinhos na cabeça cancelou o evento devido à “esmagadora revolta do público”.
E foi Louis Farrakhan, o líder do grupo muçulmano Nação do Islã, que declarou no ano passado que quando Obama fala, “é o Messias que está realmente falando”.
Houve também outro acontecimento durante a campanha de Obama quando um site perguntou: “Será que Barack Obama é o Messias?” Essa manchete sintetizou a onda de euforia que seguiu o crescimento espetacular do senador do Partido Democrata.
O site ficou famoso com uma declaração de Obama estrategicamente extraída de um discurso dele na Faculdade Dartmouth, em 7 de janeiro de 2008, logo antes da eleição do Partido Democrata para escolher um candidato à presidência. Foi nessa ocasião que Obama declarou aos estudantes: “Uma luz brilhará por essa janela, um raio de luz descerá sobre vocês. Vocês experimentarão uma presença divina, e de repente compreenderão que precisam ir votar” em Obama.
O site inclui isto:
SEJA O TEU NOME OBAMA
TUA MUDANÇA VIRÁ
TUA VONTADE SERÁ FEITA…

Bob Unruh

Fonte:www.juliosevero.com