Pais brilhantes famílias fascinantes

ENSINO O QUE SEI, MAS SÓ REPRODUZO O QUE SOU.

Pensamentos

Diga o que a criança deve fazer, em vez de dizer “não faça isso”.


Educar é corrigir. Corrigir é substituir uma forma de reação inconveniente por uma adequada. Dizer apenas “não faça isso” é dar uma ordem negativa. A criança tem prazer na ação. Para desviá-la da ação inconveniente é preciso sugerir-lhe a ação conveniente, a fim de não privá-la do prazer de agir.

Não diga que uma coisa é má apenas porque lhe aborrece.

A qualificação de uma coisa em boa ou má é importante para a criança na formação da as capacidade de julgamento. Não deve ser feita com fundamento apenas na tendência afetiva momentânea de quem faz. Se é má, cumpre dar a razão de modo compreensível para a criança, e esta razão deve estar na coisa em si e não no agrado que nos causa.

Não fale da criança em sua presença, nem pense que ela não escuta, não observa, nem compreende.

A criança se sente objetivo da atenção dos adultos, quer quando a elogiam, quer quando a censuram, desenvolve uma excessiva estima de si mesma, que a levará a procurar essa atenção de qualquer maneira, e a sofrer quando não a consegue.

Não interrompa o que uma criança está fazendo, sem avisá-la previamente.

A criança tem prazer na ação. Interrompe-la subitamente é causar-lhe violenta emoção de natureza inibidora. Se é necessário interrompê-la proceda de modo que se evite a emoção de surpresa.

Não manifeste inquietação quando a criança cai, ou não quer comer, etc. Faça o que for necessário sem se agitar e alarmar-se.

A inquietação alarmada em torno de qualquer episódio da via de uma criança serve, apenas, para ampliar o tom emocional do acontecimento. Cumpre, ao contrário, considerar as coisas com naturalidade, para que nela se desenvolva a capacidade de dominar suas próprias emoções.

Ocupe-se dos interesses e necessidades da criança, em vez de somente demonstrar amor acariciando-a constantemente.

O carinho físico é agradável para quem o dá e recebe, mas pode não corresponder aos interesses e necessidades reais da criança: Deus, amor, aceitação, significado, apreciação, segurança, pertencer, ensino, elogios, disciplina e etc.

Vá passear com a criança, em vez de levá-la para passear.

A criança, por suas deficiências naturais, é uma dependente. Quanto mais cedo se anular em seu espírito tal sentimento de dependência tanto mais rapidamente se completará o sentimento de que se basta a si mesma. “Levá-la para passear” é colocá-la na dependência da iniciativa alheia. “Ir com ela passear” é associá-la à iniciativa e à ação, o que lhe dará mais prazer.

Não faça sermões morais à criança pequena.

As expressões de conteúdo moral são incompreensíveis para a criança pequena, porque são abstratas. Os “discursos” e “sermões” que as contenham valem somente como expressão inteligível de uma estado de espírito que ela não compreende e que a alarma.

Sempre cumpra as suas promessas.

Para a criança, prometer é começar a realizar. Se a promessa não se cumprir, haverá uma frustração como se a criança houvesse sido privada de alguma coisa, o que se dá em seu espírito origem à descrença.

Sempre diga a verdade para a criança.

A mentira até pode ser aceita socialmente, mas para a criança é uma desilusão e destrói a autoridade como fonte de conhecimentos e fonte da verdade.

SER PAI

Átila

Ouvi um amigo falando sobre uma pesquisa que viu na TV. Ela procurava captar as opiniões sobre a pessoa do “pai”, entre adolescentes e jovens. O que impressionou foi que as respostas mostraram que o nervosismo parece ser “um gene” dos pais. Quando chegam em casa, começam a implicar e distribuir, aos filhos, nervosismo e comentários negativos sobre o quarto desarrumado, o tênis fora do lugar, a ociosidade que contrasta com a sua aplicação em angariar subsídios financeiros para que o LAR continue funcionando! Parece ser verdade, olhando para minha própria vida familiar! Tenho que ser honesto e confessar isso! A segunda pergunta da pesquisa tentava destacar as qualidades do pai. Respostas como “Muito responsável”, “Honesto”, “Sério”, “Supridor eficaz das nossas necessidades”, apareceram na maioria das participações. Somente uma pessoa declarou que a maior qualidade do pai era “ser amigo, meu amigo”…

Nossa tendência natural é querer suprir e suprir e suprir necessidades materiais, enquanto nosso maior tesouro vai se esvaindo com a passagem dos anos: nossa vida, a maior influência que um pai pode ter em seus filhos!

A sociedade tem seu ‘jogo de sedução’ bem definido e flerta descaradamente com cada pai, tentando-o para que busque a aprovação de outros, a admiração de outros, que mostre a todos o quanto foi capaz de conseguir, de possuir, as paredes repletas de diplomas, aval de sua distinção em meio a milhares de pais menos afortunados, as roupas de seus filhos, a quantidade de televisores em sua casa, os celulares, os carros novos, o colégio pago, os presentes caros que outros não podem ofertar aos seus. Porém essa postura o privará de compartilhar a riqueza que não pode ser aferida, o tesouro que se perpetuará por gerações, o legado que nunca deixará o lugar onde as coisas não podem fazer diferença: o coração dos filhos.

Podemos ver nisso uma justificativa plausível para a imaturidade de nossos adolescente e jovens no que se refere a relacionamentos e valores perenes de vida. Falta-lhes a figura do pai que orienta, que compartilha vida, enquanto opta por menos horas no trabalho se mostra humano para com seus filhos, acessível, ensina como tratar as dificuldades na prática, tem tempo para afagar os seus queridos abrindo um dos lugares mais cobiçados por adolescentes e jovens do Brasil e do mundo: o colo. Sem dúvidas, esses pais que hoje optaram por:

  • um estilo de vida mais simples,
  • afugentar o ‘canto de sereia’ da Sociedade de consumo,
  • viver a vida ao lado dos seus filhos

irão colher resultados maravilhosos e eternos onde uma imensa multidão de bem sucedidos seres sociais têm fracassado: em sua família.

Deixo você pensando nas palavras de Jesus no livro de Lucas, capítulo 12 verso 15.

“… porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui”

Ä Amigo de paternidade, em que está consistindo sua vida?

Ä Ninguém despreza o valor do dinheiro e a importância dos bens, mas para onde essa corrida frenética atrás do vil metal tem levado você em termos de família?

Ä Seus filhos vão lembrar de você pelo quê?

Ä Qual tem sido o legado emocional e espiritual que você tem construído para seus filhos?

Sugestão: Convide seus filhos, mesmo os casados, para um jantar íntimo e um bate-papo e se submeta à avaliação deles. Pode ser difícil para você, mas posso afirmar, por experiência própria, que ninguém se levantará daquela mesa igual! Com a ajuda de Deus (peça a Ele), você poderá reordenar sua vida para que o tempo perdido seja recuperado rapidamente.

Invista em sua família!

Um grande abraço.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s